Digite seu e-mail para receber nossos informativos:
Imprensa > Release > Reunião no CIESP Sorocaba discutiu Logística Reversa de Embalagens

Release

Reunião no CIESP Sorocaba discutiu Logística Reversa de Embalagens22/07/2019



A Regional Sorocaba do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), reuniu na manhã da última quinta-feira (17), empresas para discutirem os problemas e soluções da reciclagem e da logística reversa. O evento, denominado 1º Café Ambiental, foi conduzido pela Diretora Adjunta Estadual do Departamento de Desenvolvimento Sustentável do CIESP e Coordenadora do Núcleo de Meio Ambiente do CIESP Sorocaba, Marcia Serra e pelo Especialista de projetos em Gestão Ambiental do Departamento de Desenvolvimento Sustentável do Ciesp, Jorge Luiz Silva Rocco.

Na ocasião, Rocco apresentou os impactos da normativa “Decisão de Diretoria 76/2018” da CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), que estabeleceu o procedimento para incorporação da Logística Reversa no âmbito do Licenciamento Ambiental.

Segundo o especialista, a logística reversa para produtos e embalagens pós-consumo, tais como embalagens de alimentos, bebidas, produtos de higiene, de limpeza, entre outros, pode ser feita pelas indústrias por meio de um sistema próprio ou coletivo.

Rocco alertou para o fato de que a CETESB tem noticiado as empresas que não se manifestaram quanto à logística reversa para que apresentem qual alternativa irão implementar, se irão operar o sistema próprio ou coletivo, com apresentação do plano e o relatório anual que comprova o recolhimento de 22% de compensação do total de embalagens usadas no processo produtivo.

“A comprovação se dá por nota fiscal ou por meio de Certificado de Reciclagem, atrelado às notas fiscais de venda da quantidade equivalente do material. Este último pode ser adquirido pelas empresas que aderiram ao Sistema FIESP, CIESP e ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), proveniente do Termo de Compromisso firmado no ano passado, com a CETESB e Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), com o objetivo da comprovação da reciclagem de materiais”, afirma o especialista.

Para Marcia Serra, a adesão ao sistema de logística reversa da FIESP/CIESP oferece diversas vantagens para as empresas. “Além de atender à legislação estadual, este Sistema possuir a rastreabilidade das notas fiscais, trazendo mais transparência ao processo. Essa metodologia, além de reduzir o custo das empresas, oferece segurança técnica e jurídica”, destaca.

A Diretora Adjunta observa ainda que o Certificado de Reciclagem emitido pelo Sistema é individualizado por empresa aderente. “Este documento é essencial para a empresa comprovar que cumpriu a meta estabelecida no momento de solicitar ou renovar sua licença ambiental”, explica.

Segundo Rocco, as empresas que ainda não tem a obrigação compensatória em relação à logística reversa, devido ao seu produto ou embalagens, também podem aderir ao Sistema, pois além de estarem sinalizando para a CETESB e a SIMA (Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente) que já estão seguindo a legislação, demonstram aos seus consumidores que são praticando medidas ambientalmente responsáveis.

Destaca ainda, que neste momento, as empresas que deverão implementar e operar o sistema de logística reversa de suas embalagens são os fabricantes ou responsáveis pela importação, distribuição ou comercialização de produtos alimentícios, bebidas, produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, além de produtos de limpeza e afins.

Sistema Ciesp/Fiesp

De acordo com o especialista, o Sistema da FIESP e do CIESP é gerenciado por um colegiado de entidades e as empresas podem aderir voluntariamente ao Sistema. “Quando a empresa faz a adesão ela já recebe uma orientação de como fazer o balanço de massa e disponibilizar isso para o sistema”, ressalta.

Rocco destaca ainda que além das empresas que originalmente assinaram o termo de compromisso, outras duas entidades aderiram ao Sistema como intervenientes: a FECOMERCIO/SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) e a ABETRE (Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes). Além disso, temos 43 associações e sindicatos, 27 operadoras privadas, 10 cooperativas e mais de 850 empresas aderentes ao sistema”.

Para Wagner Polis, diretor da empresa NCH Brasil, o sistema é bastante vantajoso em função de todas as obrigações acessórias que são solicitadas para as empresas. “As indústrias isoladamente ficam bastante vulneráveis, mas junto com o CIESP e a FIESP fica mais fácil atender às demandas, porque sozinhos a gente não consegue nada, mas se a empresa é associada ela tem mais força para cumprir a legislação”, observa.

Vale destacar, ainda, que a logística reversa é parte das exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e foi regulamentada pela pasta por meio de uma Resolução SMA 45/2015, além da Decisão Diretoria CETESB que define as diretrizes para implantar, operacionalizar a responsabilidade pós-consumo no Estado.

O que é logística reversa

A logística reversa é caracterizada como um conjunto de atividades para viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, nos ciclos produtivos ou outras destinações. Como vantagens da logística reversa citam-se o fomento e a promoção da economia circular, além do aumento da vida útil dos aterros sanitários.

As empresas interessadas em aderir ao Sistema da FIESP e do CIESP podem entrar em contato com a Regional CIESP em Sorocaba pelo telefone (15) 4009-2900 ou pelo site www.ciespsorocaba.com.br.


Informações para a Imprensa
Vergili Press Office Comunicação Integrada
Carla Acquaviva – Diretora Executiva
Tel: (15) 3033-1404 / 99760-4004